(via ultimosonho)


(via psyyychosis)


Às vezes no silêncio da noite, eu fico imaginando nós dois. Eu fico ali sonhando acordando, juntando o antes, o agora e o depois. Por que você me deixa tão solto? Por que você não cola em mim? Tô me sentindo muito sozinho. Não sou nem quero ser o seu dono, é que um carinho às vezes cai bem. Eu tenho os meus desejos e planos secretos, só abro pra você, mais ninguém. Por que você me esquece e some? E se eu me interessar por alguém? E se ela de repente me ganha? Quando a gente gosta é claro que a gente cuida. Fala que me ama, só que e da boca pra fora. Ou você me engana ou não está madura, onde está você agora?
Caetano Veloso (via quoteiros)

(via vienderose)


Quando nos conhecemos, aquele vazio que ocupava meu peito se foi. Você o tomou por completo, tocando meu coração e tomando-o para si. Aquela foi umas das melhores sensações das quais tive o prazer de ter. Eu me sentia seguro ao seu lado, arriscando até caminhar de olhos fechados, apenas segurando sua mão. Você tinha o domínio sobre meu corpo e sentimentos. Você era o veneno e o antídoto. Só você. Você era aquele alguém que não saía de meus pensamentos, nem em sonhos. Me prometeu estrelas, me prometeu amor eterno, me prometeu casar, filhos, uma casa e um cachorro. Me prometeu todo o amor do mundo, e o mais importante: nunca me deixar. Mas as pessoas são feitas de palavras, das quais o vento leva. Fazendo de você, passado. Quando você me deixou, aquele vazio que ocupava meu peito voltou.
João Américo.  (via thiagopolycarpo)

(via vienderose)


(via vienderose)


Apenas seguir em frente. Primeiro, porque nenhum amor deve ser mendigado. Segundo, porque todo amor deve ser recíproco.
Martha Medeiros  (via sincronizar)

(via vienderose)


Palavras desmoronam. Promessas desmoronam. Sonhos desmoronam. Nós vivemos em meio a destroços e convivemos com a esperança de reerguer algo que o tempo deteriorou — ou para ele não levar toda a culpa, que as ações deterioraram. Nossa vida é uma construção mal-feita, com seu alicerce não planejado, suas corrosões sem soluções e suas fissuras sem conserto. Queremos seguir a qualquer custo e não percebemos as dimensões dos cômodos e quando damos conta, algo que idealizamos não cabe ali dentro por conta dos móveis empilhados, das pessoas que chegaram para visitar e ali ficaram ou dos sonhos que não realizamos e deixamos guardados no recanto, ou quem sabe, não conseguimos sair porque esquecemos de colocar a porta e ficamos presos em meio aos nossos terríveis medos, desde os mais banais como o do escuro até os mais assustadores, como perder alguém a quem amamos. Temos medo de ficar sem o nosso “teto” e se molhar na chuva fria e ficar sem aquele abraço forte e caloroso que nos acalenta. Somos edificações não terminadas, com um pouco de reboco, um conserto na madeira aqui e aculá, com uma porta sem fechadura, ou um cômodo sem janela. E como toda casa, também desmoronamos. Aliás, o mundo todo desmorona todo final de dia.
Sou um ser feito de barro, apenas. (via renovalhos)

(via vienderose)


Não basta você fazer uma besteira, sua mente tem que ficar lembrando como tudo seria maravilhoso se você não tivesse feito aquilo.


(via psyyychosis)


É triste perceber que o amor enfim, chegou ao fim.
Acabou, Saumensch. (via vienderose)

(via fuck-kkkkkkkkkkk)